Por Eric Thompson

Parece que você não pode ter um dia sequer sem ouvir um comentário,

uma observação, um relatório ou um artigo destacando a crise política no Brasil.

Como podemos manter uma atitude positiva durante tempos difíceis?

Eu me lembro quando morava nos EUA durante a crise econômica.

Todos começaram a se desesperar com o estouro da bolha imobiliária.

A perda nas casas financiadas chegou a mais de 50% de seus valores.

Pessoas próximas a mim foram atingidas.

Em cada esquina tinha casa à venda pela metade do valor. O povo entrou em desespero.

A lógica era que estava tudo piorando e eu deveria me sentir mal também.

Mas entrei nessa?

Não.

Eu fiquei positivo.

Porquê?

O que eu posso mudar, ficando preocupado, ansioso ou nervoso? Nada.

Reclamar ou sentir ansiedade, não me leva a nada.

Lembre-se: onde focamos nossa energia, aquilo expande. Atraímos mais do que pensamos, falamos e escutamos.

Quando eu me concentro no medo, sinto mais medo, e encontro mais razões para ficar temeroso.

É uma espiral descendente e sem fundo, até que eu, conscientemente e de forma proativa,

interrompo esse padrão e deliberadamente opto por me concentrar em outra coisa mais produtiva e propícia para o meu bem-estar.

Em primeiro lugar, reconheça que há muitas coisas fora de nosso controle;

o clima, o passado, outras pessoas e a economia.

Ansiedade, preocupação e medo geralmente vêm quando nos concentramos sobre essas coisas externas que não podemos controlar.

Lembre-se da última vez que estava realmente preocupado ou nervoso com alguma coisa.

Em que você estava focado ? Foi algo externo que estava além de seu controle?

Em segundo lugar, reconheça que nós temos escolhas.

Nós sempre temos escolhas. Podemos sentir que não temos uma escolha,

porque não queremos enfrentar as opções – o nosso orgulho e ego sendo feridos.

Há somente uma coisa sobre a qual definitivamente temos controle:

o significado que damos às coisas e circunstâncias.

Nós temos uma escolha na perspectiva que usamos para interpretar uma determinada situação. Quando mudamos o que algo significa para nós, mudamos nossa interpretação sobre ele, e, portanto, mudam as nossas emoções.

Assim, temos a chave para o nosso próprio bem-estar emocional.

Para mim, ela também ajuda a lembrar que, independentemente do que está acontecendo comigo financeiramente ou emocionalmente, a coisa mais preciosa é o meu verdadeiro eu interior,

(a essência do meu ser em mim que ocasionalmente se revela com sabedoria infinita nunca será ameaçada).

É uma bênção lembrar que não somos os nossos rótulos de trabalho, as coisas que possuímos,

as nossas circunstâncias e nem somos os nossos pensamentos.

E nós certamente não somos o medo que está em nossas mentes.

Uma vida plena é rica em experiências.

Oportunidades para experiências profundamente gratificantes e de alto crescimento, apresentam-se, muitas vezes, na forma de adversidades.

É através da superação dessas adversidades e desafios que desenvolvemos pontos fortes pessoais, caráter e sabedoria – sem os quais, nossa vida seria sem graça e nós ficaríamos muito entediados.

E se encararmos esse adversário como uma oportunidade?

Tente fazer perguntas diferentes.

Em vez de se perguntar “Porque eu?” ou de reclamar “Pobre de mim”,

considere fazer essas perguntas:

• O que posso aprender com essa situação?

• Como posso usar essa dificuldade para me tornar uma pessoa melhor?

• Como posso usar essa oportunidade para servir aos outros e a mim mesmo?

• O que posso fazer para chegar onde eu quero estar?

• O que posso fazer para obter a clareza que eu preciso?

• Como posso me beneficiar dessa situação?

E se nós nos concentramos em coisas que realmente importam para nós,

em vez de coisas além do nosso controle que “poderiam” acontecer em algum futuro distante?

Centrar-se no medo de algo que pode acontecer é um desperdício de recursos, em vários aspectos.

Por um lado, a coisa que você teme talvez nunca aconteça, e os tempos que você passou preocupado com isso torna-se um desperdício de energia, um desperdício de emoção, um desperdício de atenção.

Por outro lado, a energia utilizada em preocupar-se poderia ter sido gasta em fazer algo mais proativo e realmente útil para a sua situação.

Em vez de gastar tempo lendo notícias negativas, que tal usar esse tempo e energia para fazer algo mais significativo para você e que pode realmente beneficiá-lo?

Coisas como, se dedicar a desenvolver relacionamentos com as pessoas que você ama, a conectar-se com outros seres humanos, à comunhão com a natureza, a ler algo que te eleva, a ouvir algo empoderador, a aprender uma nova habilidade, ou a aprimorar uma habilidade antiga.

Você é o autor da sua história de vida. Faça valer a pena!

1. Concentre-se no que você pode controlar

Em que focamos pode mudar drasticamente a forma como pensamos.

Eu sei o quão difícil pode ser para se concentrar em outra coisa que não a dor que está presente em frente de nós.

Eu sei, é difícil! Mas é possível mudar o nosso foco, com a intenção de mudar o nosso estado emocional. Vale a pena notar que é quase impossível de pular os níveis emocionais.

Por exemplo, não podemos de repente ir de ressentimento para empolgação.

Emocionalmente, é mais fácil mudar de ressentimento à raiva, da raiva à perturbação, de estar chateado à indiferença, da indiferença para o carinho, etc.

Com passos de bebê, gradualmente, nós realmente podemos mudar o que sentimos.

Reconheça que você está no controle.

Você pode optar por concentrar-se em uma perspectiva que ajuda você. Veja como você pode mudar o significado de uma circunstância externa para aquele que irá beneficiá-lo?

Um exemplo: não podemos controlar o movimento ascendente e descendente de uma determinada ação na Bolsa de Valores, mas podemos optar por ver que essa ação é apenas dinheiro,

e dinheiro é um recurso que podemos reabastecer e somos capazes de sempre fazer mais.

Podemos optar por ver que a nossa saúde vale mais do que insistindo sobre algo que não podemos controlar.

2. Eliminar ou reduzir drasticamente consumo de mídia

Qual foi a última vez que as fontes de mídia populares relataram algo edificante,

empoderador e livre de conflitos?

Isso raramente acontece, porque não é “interessante”, e quase nunca você vai encontrar notícias positivas na primeira página.

O que o jornal acha que é merecedor: conflitos, guerras, fofocas, sofrimento e medo.

Pode não ser intenção de uma agência de notícias instilar o medo dentro de nós, mas é o trabalho de repórteres para criar conteúdo que destaca os problemas e exagera o estresse de situações atuais.

Se não fosse emocionalmente perturbador, as pessoas não iriam ler ou ver as notícias,

e as agências logo estariam falidas.

Qual foi a última vez que você se sentiu bem depois de assistir ao noticiário noturno ou lendo as histórias de primeira página?

Como podemos ler constantemente sobre a crise econômica, a crise imobiliária, ou a recessão e empoderar-nos, elevar-nos ou aumentar nosso bem-estar?

Como isso nos ajuda?

Os lembretes constantes nos mantém concentrados no medo, ao invés de enxergar soluções e ter esperança. Mesmo as pessoas que não devem estar preocupadas, ficam preocupadas, desnecessariamente.

3. Gratidão

Quais são as coisas mais importantes na sua vida?

Sobre o que você está grato?

Quem você ama?

Faça uma lista numa folha de papel.

Em seguida, feche os olhos e veja-as em sua imaginação. Sinta os sentimentos de gratidão.

Faça isso regularmente.

Para mim, o que mais importa são as minhas relações com meus amigos mais próximos e familiares.

Os momentos íntimos de conexão com outra alma são os mais preciosos e gratificantes que podemos experimentar.

Concentrar nas coisas de valor inestimável e intangíveis que enfeitam a minha vida me ajuda a colocar as coisas em perspectiva.

Quando colocadas em perspectiva, percebo que trocaria todos os meus bens materiais por minha saúde e relacionamentos.

E mesmo se eu perdi todo o meu dinheiro e posses, sei que, com o apoio das pessoas que amo, com saúde e determinação, eu sempre poderia voltar.

Veja como uma mudança de perspectiva de repente pode fazer você se sentir rico.

4. Pare de espalhar o medo

Pare de reclamar sobre suas dores econômicas, pare de compartilhar artigos de notícias de medo com os seus amigos, pare de falar sobre isso, e comece a fazer as coisas dentro de seu controle.

Se as suas necessidades básicas imediatas estão ameaçadas (perda de emprego, abrigo e alimento), tome uma atitude efetiva, entre em ação, para ajudar a si mesmo.

A única exceção para falar sobre sua situação econômica é quando você pedir a ajuda de outros durante um momento de necessidade.

5. As coisas vão se recuperar

Você não está sozinho.

Nós estamos todos juntos nisso.

A história se repete e nossa economia vai se recuperar.

O inverno virá e passará eventualmente.

Segure firme!

Enquanto isso, faça o que for preciso para sustentar-se.

6. Escolha a alegria

Escolher a alegria não significa tornar-se vulnerável ou alheio às questões do mundo.

Isso não significa colocar um sorriso falso em nossas caras.

Significa simplesmente que estamos deliberadamente escolhendo concentrar-nos em coisas que são bonitas, que nos dão alegria, que nos fazem sorrir, e que nos fazem sentir gratos por estarmos vivos.

Todos os dias, estamos rodeados por esses milagres e oportunidades para a alegria.

Assim como o medo, a capacidade de experimentar a alegria e o reconhecimento dos milagres é também uma escolha.

Qual você escolhe?

www.modernmysteryschoolint.com